ENGLISH PORTUGUÊS
FESTIVAL DE ARTE DIGITAL 2016
Conheça o TOP 10 das obras de Video Mapping
PUBLICADO EM 22 abr 2014

sydney_opera_mapping_01

 

O video mapping é, hoje, o grande espetáculo no universo das artes digitais. Ele consiste no mapeamento da área a ser trabalhada – que pode ser um prédio, um monumento, etc. A partir das medidas tiradas, o artista desenvolve uma projeção de vídeo que brinca com a arquitetura e permite a ilusória modificação do espaço a ser projetado. As abordagens estéticas são diversas, variando entre vídeos realistas e grafismos experimentais. Para um espetáculo ainda mais completo, uma trilha sonora conversa com a projeção.

O blog da produtora multimídia WECOMEINPEACE divulgou uma lista com um top 10 de instalações que exploram essas projeções de vídeo

Confira a lista abaixo.

A obra “Lighting the Sails“, do Coletivo URBANSCREEN, foi projetada em Sidney, na famosa Opera House, em homenagem ao arquiteto Jorn Utzon . O trabalho do grupo, que tem sede na Alemanha, é baseada no contexto ambiental do edifício e utiliza a integração de personagens reais no mapping.

A-cero XV Aniversario” é uma obra que sintetiza o que é o 3D mapping. Feita pelo estúdio espanhol Onionlab, ela trabalha sobre a ideia da arquitetura dinâmica e proporciona uma nova perspectiva sobre o edifício original.

Omicron” é uma criação de Romain Tardy e Thomas Vaquié, do coletivo AntiVJ. A obra explora variações na geometria do espaço e é uma instalação permanente do novo museu de arquitetura localizado no Salão do Centenário em Wrocław (Polônia) – uma das maiores estruturas de concreto do mundo.

Quadrature” é uma performance audiovisual feita pelos estúdios turcos Griduo e Due3. Criada em 2010, a obra ainda é referência de beleza e eficácia visual. O sistema da instalação interage com o prédio do Centro Cultural de Istambul

The 600 Years” é um mapping projetado na Torre do Relógio, no centro de Praga. Foi criado pela label checa Macula Project e trabalha com o equilíbrio entre universo épico e geometrias modernas.

Time Tilings” é uma criação do artista Pablo Valbuena para festival Artefacto, na Bélgica. O trabalho deste artista de origem espanhola está focado em espaço, tempo e percepção artística entre o físico e o virtual.

A instalação “Beats N’Cube“, de 2007, deu o start na carreira internacional do coletivo francês 1024. Utilizada nas performances ao vivo do DJ Etienne de Crécy , a obra deu vida à música através de um mapeamento gráfico.

Spider Projection” é um projeto de mapping que lembra os filmes antigos de monstros. O animador Friedrich van Schoor projetou o “ninho” de duas pequenas aranhas em um edifício.

Maintenance, Repair and Operations” é uma obra visual do artista Refik Anadol (co-fundador do estúdio Griduo) em colaboração com Sebastian Neitsch. O projeto foi planejado durante o Ars Electronica Festival, em Linz, sob uma antiga fábrica de tabaco.

 

Rapping Mapping” é um mapeamento de vídeo elaborado através de um trabalho tipográfico com uma trilha sonora hip hop. A obra foi feita pela empresa russa Silasvesta e lembra o trabalho gráfico do artista Lorenzon Petrantoni.

Por último, um trabalho da própria produtora WECOMEINPEACE. A obra “Citadelle“, de 2013, foi projetada sobre os antigos quartéis militares de Grenoble, na França.

 

LOCAIS
ARTISTAS

EDIÇÕES
BLOG
Veja as fotos do SP_Urban 2016
SP_Urban Digital Festival espalha arte digital pela cidade
Saiu o resultado da convocatória 2016!
VER POSTAGENS ANTERIORES

PATROCÍNIO
CURADORIA E PRODUÇÃO
APOIO
REALIZAÇÃO
Escreva para o SP URBAN
NOTÍCIAS POR E-MAIL
2017 — SP URBAN DIGITAL FESTIVAL